De: As Minhas Receitas (Ver receita )



Receita - Compota de Figo com Canela e Vinho do Porto


Os figos que o avô me trouxe das suas férias em casa da Tia Tilita, já tinham o destino traçado ainda antes de chegarem ao seu destino. Uma compota!
Apesar de outras combinações deliciosos de saladas e afins me encherem as medidas, como figos e chévre, salada de figos e presunto, queijo com figos e muitas sobremesas como tarte de figo e mascarpone, a compota de figo era a minha prioridade. (Conto ainda com os figos dos sogros, mais tardios, para essas outras delícias!)
Os figos chegaram, deliciosos, doces e claro que guardei alguns para o Miguel e o Zé Maria que adoram comê-los ao natural. Quanto a mim, apesar de também gostar muito, estão agora proibidos a esta grávida com diabetes gestacional….
Dos sabores para complementar estes figos deliciosos, maduros e colhidos na altura certa, o vinho do porto e a canela. Uma combinação que me parece simples e perfeita, sem “danificar o sabor dos figos, mas que os faz sobressair ainda mais.
Eu sei que há quem não goste muito de me ouvir falar disto nesta altura do ano, mas faltam (apenas) ጽ dias para o Natal! E assim, as compotas começam a sair para os cabazes. (Será que este ano, com duas crianças pequenas haverá cabazes? Uma dúvida que irá persistir até aos dias que antecedem o Natal!)



Ingredientes para cerca de 6 frascos de 200ml de capacidade:


1,5 kg de figos (usei pingo de mel)
1 kg de açúcar
2 paus de canela
100ml de vinho do Porto


Preparação:


Lave os figos e corte-os em quartos. Coloque-os depois numa panela grande, onde tudo caiba à vontade, e acrescente o açúcar. Mexa bem, até o açúcar começar a dissolver-se com os figos. 
Leve o tacho ao lume e deixe levantar fervura. Acrescente os paus de canela e o vinho do Porto e reduza o lume para o mínimo, deixando a compota cozinhar lentamente, reduzindo e engrossando. Quando a compota tiver atingido o ponto desejado, o chamado ponto de estrada – em que colocando um pouco da compota num pires e passando com a ponta de uma colher ou do dedo, esta abre uma â€estrada” que não se une de imediato – a compota está pronta. Tenha apenas cuidado para não deixar a compota cozinhar demasiado, para que não caramelize e fica rija. (No meu caso a compota cozinhou cerca de 1h30 até atingir o ponto, mas poderá demorar um pouco mais ou um pouco menos.)
Coloque a compota ainda quente nos frascos de vidro previamente esterilizados (e de preferência também quentes) e tape de imediato. Vire-os depois de cabeça para baixo e deixe ficar assim cerca de 30 minutos para que criem um vácuo natural.
Etiquete a gosto e guarde-os depois num local fresco e seco até utilizar.
Há ínumeras e deliciosas maneiras de comer compota. A de figo é para mim excelente com queijo, especialmente queijos de sabores mais fortes, como o chévre ou até queijo da ilha, e juntamente com uma bolachinhas de água e sal, fazem umas “tapas” rápidas e deliciosas.


Bom Apetite!